fbpx

Afeganistão: entenda o conflito e os impactos para os mercados

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print
Afeganistão: entenda o conflito e os impactos para os mercados

Especialistas preveem prejuízos a longo prazo para os mercados devido à chance de o país voltar a ser um local marcado por ataques terroristas

 

Ainda que você não esteja por dentro do que realmente está acontecendo no Afeganistão, provavelmente, ficou sabendo que a situação por lá não está nada boa. Na realidade, relacionar o Talibã – grupo extremista -, com a população afegã, as mulheres, os EUA e o mercado mundial, pode não ser uma tarefa fácil.

Pensando nisso, preparamos um artigo completinho com todos os detalhes e os impactos gerados pela volta do grupo ao poder do Afeganistão. Confira!

 

Como tudo começou?

Lembra do famoso 11 de setembro de 2001, quando houve o ataque terrorista às Torres Gêmeas? Pois é, naquele mesmo dia, o grupo extremista islâmico, que governou o Afeganistão durante o final da década de 90, conhecido popularmente como Talibã, deixou de dominar o país asiático. Mas, por quê?

A perda deste controle aconteceu da seguinte maneira: após o atentado, as tropas norte-americanas e da OTAN ocuparam o Afeganistão alegando que o Talibã não quis entregar o conhecido terrorista Osama Bin Laden, que, na época, liderava o grupo terrorista Al-Qaeda – próximo dos talibãs. O motivo desta perseguição ao terrorista era justificado pela suspeita dele ter planejado o atentado em solo estadunidense.

Em suma, 20 anos se passaram e as tropas norte-americanas permaneciam no Afeganistão, até que, em 2020, houve um acordo entre o governo dos EUA e o Talibã. Nele, constava a retirada do exército dos Estados Unidos, depois de anos de atuação no país. Vale ressaltar que a presença de homens estadunidenses em solo afegão bloqueou a chance de progresso do grupo extremista por lá.

Aos poucos, os EUA foram recolhendo a sua tropa e, no começo do mês de julho deste ano, a nação comunicou que mais de 90% dela já havia deixado o Afeganistão. E, como resultado, o caminho estava livre para os talibãs, o que levou poucas semanas até que os mesmos retomassem o poder de grandes cidades do país.

No dia 15 de agosto de 2021, o grupo terrorista chegou até a capital do Afeganistão, a cidade mais populosa, chamada de Cabul, e ocupou o Palácio Presidencial. Devido ao avanço da dominação terrorista, o presidente Ashraf Ghani resolveu abandonar o país e usou como justificativa a fuga de um possível “banho de sangue”. Com isso, ele constatou a vitória do Talibã.

A volta do grupo terrorista ao comando do Afeganistão gerou um desespero da população e, por isso, uma série de vídeos chocantes e que mostram a busca incessante dos afegãos em abandonar o país. E, quais são os impactos da volta do Talibã ao controle do país asiático? Isso você descobre a seguir.

 

Por que a volta do Talibã ao comando do Afeganistão é preocupante?

 

  • Para a população afegã

 

Claro que, antes de qualquer problema geopolítico aos mercados, tem a vida de inúmeras pessoas que está em risco e uma rotina que pode ser altamente impactada por um controle extremista. Até o momento, já foram constatadas mortes, das mais variadas formas, de afegãos tentando fugir a qualquer custo do território.

O pânico é baseado em acontecimentos passados, isto é, quando os talibãs governaram o país, de 1996 até 2001. Naquela época, houve a proibição das músicas, apedrejamento de adúlteros, laceração de ladrões e outras formas de tortura executadas pelo grupo.

Por isso, o domínio do Talibã é motivo de muito temor pela população do Afeganistão. Até porque eles pensam na possibilidade de decretarem um novo regime severo de interpretação das leis islâmicas. Ou seja, a defesa de prisões, execuções e. até mesmo. a violação de direitos. Além da possibilidade de exageros e abusos como já aconteceram no país.

 

  • Para as mulheres afegãs

 

A alteração da lei islâmica pode impactar a população feminina do Afeganistão. Isso porque, até o ano de 2001, de acordo com a lei aplicada de maneira bastante deturpada, as mulheres eram proibidas de ir à escola ou de trabalhar fora de casa.

Somado a isso, elas eram obrigadas a utilizar burca e não podiam sair de casa desacompanhadas, dessa forma, deveriam estar sempre na companhia de algum familiar do sexo masculino. E não parava por aí, até porque a lei também possibilitava que a mulher fosse uma escrava sexual e permitia que adolescentes se casassem de maneira forçada.

Sendo assim, qualquer mulher que violasse as regras impostas era humilhada e espancada publicamente.

 

  • Para os EUA

 

O ponto de grande preocupação dos especialistas é a pressão que a situação do Afeganistão cria sobre os EUA. Dessa forma, a avaliação feita por eles é de que a retomada do Talibã expõe falhas nas decisões da Casa Branca. E, como resultado, reforça uma das grandes dúvidas do mercado global, que já existia e hoje se acentua, de que a China pode assumir o lugar dos Estados Unidos como uma super potência global.

Além disso, o atual presidente norte-americano, Joe Biden, acabou sendo pressionado, afinal, o mesmo declarou, em julho deste ano, que as chances eram bem pequenas de o Talibã assumir o controle do Afeganistão.

Vale ressaltar que a invasão de Cabul pelo Talibã pode resultar em uma queda no Dólar e até mesmo no mercado de Treasuries. E, claro, por ser a maior potência mundial, qualquer impacto na economia norte-americano reflete mundialmente.

 

China e Rússia podem ver uma luz em meio ao caos afegão

Conforme mencionamos acima, se a tese da China se sobrepondo aos EUA se concretizar, no médio prazo, pode acontecer dos ativos norte-americanos sofrerem pressão e, com isso, os títulos chineses podem se favorecer.

Portanto, na contramão dos possíveis acontecimentos prejudiciais, a China poderia surfar no sentido contrário, colhendo bons frutos, valorizando a sua moeda – o Renminbi – e o mercado de títulos. Tudo isso porque a nação chinesa é uma potência asiática em plena ascensão.

E, os benefícios não param na China, afinal, as tensões no Oriente Médio também podem pressionar o preço do petróleo e os títulos da Rússia, o que seria vantajoso para o país.

 

Considerações finais

Aos olhos da maioria das pessoas, o que acontece no Afeganistão hoje é, além de assustador, inaceitável. Somado a isso, as consequências do retorno de um domínio talibã são as mais negativas possíveis e têm o poder de afetar países em larga escala.

Em suma, os analistas destacam que as ligações do Afeganistão com os mercados são pequenas, visto que o país não tem muitas empresas globais. Entretanto, o principal medo do mercado é de que o território volte a ser alvo de ataques terroristas, criando tensões no Oriente Médio e aumentando a volatilidade dos mercados.

Por isso, até o momento, o mercado observa a crise geopolítica no detalhe e adota bastante cautela.

 

 


 

Quer saber mais sobre o mundo dos investimentos? Então, procure um assessor de investimentos e comece o quanto antes aplicar o seu patrimônio.

Quer saber mais sobre investimentos?

Você pode gostar
BlackRock: as 4 tendências que podem fazer o mercado de ETFs triplicar
A indústria global de ETFs (Exchange Traded Funds) está a caminho de triplicar de tamanho. Se há vinte...
Inflação medida pelo IGP-10 em maio vem menor que mediana com deflação no atacado de agropecuários
O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) desacelerou a +0,10% em maio, após ter aumentado +2,48%...
Primeiro índice de empresas do agronegócio vai estrear nesta segunda-feira na B3
A B3 vai estrear nesta segunda-feira (16) o primeiro índice com temática agro, que vai acompanhar o desempenho...
Dólar sobe reagindo a sinais de desaceleração da China e Europa
O Dólar opera em alta moderada na manhã desta segunda-feira, 16, após cair na sexta-feira. O mercado...
Navegue pelo site
Siga nas redes sociais
Cadastre-se na Newsletter

O portal www.aprendaainvestir.com.br é de propriedade BANKRIO FINANCIAL HOLDING LTDA (CNPJ/MF nº 33.935.936/0001-63). Apesar da empresa estar sob o controle comum, os executivos responsáveis tecnicamente são totalmente independentes, sendo que estes na função da execução de suas atividades não exercem nenhuma atividade conflitante. Desta forma, os conteúdos vinculados no site são de caráter exclusivamente informativo, não sofrendo, de qualquer aspecto, influência de decisões comerciais e de negócios de outras sociedades, sendo os mesmos produzidos de acordo com o juízo de valor e as convicções da equipe técnica. Ao preencher algum formulário, você aceita compartilhar os seus dados de contato com as empresas controladas pelo grupo.

© 2021 | Todos os direitos reservados