fbpx

Cerca de 16% das classes D/E fizeram investimentos em 2021, diz pesquisa

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print
Classes D/E
Foto: Pixabay

Cerca de 16% dos brasileiros das classes D/E conseguiram investir em produtos financeiros em 2021, mas a falta de conhecimento sobre os tipos de investimentos disponíveis no mercado entre as pessoas dessa classe ainda é grande.

Os dados são da pesquisa Raio X do Investidor Brasileiro, realizada desde 2017 pela Associação Brasileira das Entidades do Mercado Financeiro e de Capitais (Anbima) em parceria com o Datafolha, e divulgado na última sexta-feira. É a primeira vez que o levantamento traz informações sobre esse grupo da população brasileira.

O índice de investidores das classes A/B foi de 52% e o da classe C, 29%, em 2021. Entre as pessoas da classe D/E, 82% disseram não conhecer/não utilizar algum produto financeiro, enquanto na classe A/B essa fatia é de 44% e na C, de 67%.

“É esperado que um número menor de famílias das classes D/E consigam poupar e investir. Inclusive, uma parcela significativa dessas famílias vive em situação de vulnerabilidade social. Mas é importante olharmos com mais atenção para essas famílias que conseguem investir, para entender as suas estratégias, avaliar se há produtos e serviços adequados às necessidades delas e entender que tipo de iniciativas de educação financeira podem ajudá-las a poupar e investir melhor”, avalia Marcelo Billi, superintendente de Comunicação, Certificação e Educação de Investidores da Anbima.

Busca por segurança

Na hora de escolher onde investir, as pessoas das classes D/E preferiram colocar dinheiro em bens duráveis e imóveis (3%), além de seus próprios negócios (3%). As aplicações financeiras, por sua vez, apareceram em apenas em 1% das respostas nesse grupo, fatia bem menor quando comparada às das classes A/B (14%) e C (5%).

A poupança foi o produto financeiro mais utilizado entre os investidores das classes D/E, na preferência de 14% dos investidores desse grupo, seguindo o comportamento das pessoas das outras classes. Quase um terço dessas pessoas (28%) que investiram fizeram mais de um aporte no ano e 24% ao menos uma vez.

Para 41% deles, a vantagem de se fazer aplicações é a segurança financeira ou a possibilidade de conseguir juntar uma reserva. Os investidores das classes D/E ainda esperam que a aplicação dê um bom retorno (14% dos respondentes) e consideram um ponto positivo poder resgatar a aplicação, sem prejuízo, em caso de necessidade – vantagem indicada por 8% das pessoas desse grupo.

Casa própria é objetivo

O principal objetivo para mais de um terço dos entrevistados das classes D/E (34%) é pegar esse recurso aplicado e realizar o sonho da casa própria, preferência também apontada entre as classes A/B (28%) e C (28%).

Outros 15% querem utilizar esse dinheiro como uma reserva de emergência e há uma fatia relevante dessas pessoas (12%) que buscam recursos para empreender, mais do que as das classes A/B (6%) e C (8%).

Bancos e atendimento presencial têm a preferência

Quando vão investir, as pessoas da classe D/E vão pessoalmente em seus bancos (60% do total dos investidores), 23% utilizam site ou aplicativo de sua instituição financeira e 4% a central de atendimento dos bancos, comportamento oposto das pessoas das classes A/B e C.

Do total dos investidores das classes D/E, 26% utilizam o contato presencial com o gerente ou assessor para decidir o melhor produto para investir. Mas, para 23%, os conselhos de parentes e amigos também são levados em consideração nesse momento de escolha. Os sites de notícias ficam em terceiro lugar, com 9% dos entrevistados afirmando que utilizam esses canais para decidir os investimentos.

O perfil da classe D/E

A classe D/E é composta por mais de metade de mulheres (59%), com ensino fundamental (61%), com renda familiar média de R$ 1.492, cerca de dois terços (62%) é economicamente ativa e 44% moram na região Nordeste. Menos de um terço (22%) possui conta corrente em instituições financeiras tradicionais e apenas 4% em bancos digitais.

Quer saber mais sobre investimentos?

Você pode gostar
Quanto rende R$1 milhão na poupança?
Com a taxa básica de juros a 12,75% ao ano e a inflação nas alturas, entender quanto rende R$ 1 milhão...
Como a CVM pretende monitorar os influenciadores digitais de finanças
A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) acompanha o mercado, as tendências e o comportamento dos atores...
BlackRock: as 4 tendências que podem fazer o mercado de ETFs triplicar
A indústria global de ETFs (Exchange Traded Funds) está a caminho de triplicar de tamanho. Se há vinte...
Ensaio sobre a aleatoriedade
Um discurso sobre o comportamento do investidor através da literatura José Saramago se tornou um grande...
Navegue pelo site
Siga nas redes sociais
Cadastre-se na Newsletter

O portal www.aprendaainvestir.com.br é de propriedade BANKRIO FINANCIAL HOLDING LTDA (CNPJ/MF nº 33.935.936/0001-63). Apesar da empresa estar sob o controle comum, os executivos responsáveis tecnicamente são totalmente independentes, sendo que estes na função da execução de suas atividades não exercem nenhuma atividade conflitante. Desta forma, os conteúdos vinculados no site são de caráter exclusivamente informativo, não sofrendo, de qualquer aspecto, influência de decisões comerciais e de negócios de outras sociedades, sendo os mesmos produzidos de acordo com o juízo de valor e as convicções da equipe técnica. Ao preencher algum formulário, você aceita compartilhar os seus dados de contato com as empresas controladas pelo grupo.

© 2021 | Todos os direitos reservados