fbpx

Como e quando falar sobre dinheiro com os filhos?

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Índice do artigo

Dinheiro e filhos
Foto: envatoelements

Apesar de não ser fácil educar financeiramente as crianças, as orientações sobre como administrar o dinheiro devem começar desde cedo. Em tempos de preços altos e corte de gastos, essa se torna uma tarefa ainda mais importante para os pais. Em abril, 77,7% das famílias brasileiras encerraram o mês com alguma dívida, a máxima histórica já registrada, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Para especialistas, não há uma idade correta ou ideal para se começar a discutir sobre o tema. As informações devem ser introduzidas pouco a pouco, acompanhando o desenvolvimento dos pequenos. “O dinheiro faz parte da nossa vida e deve ser abordado de forma bem natural”, diz Carol Stange, educadora em finanças pessoais.

Ela indica que, no início e meio do período correspondente à primeira infância, os responsáveis pela criança abordem sobre a necessidade de tomar cuidado com o dinheiro, explicar que não se trata de um brinquedo e deve ser guardado.

Já aos cinco anos, é possível introduzir a criança nos processos, deixando que ela pergunte quanto custa o valor de algo ou pedindo o troco em alguma eventual compra. Até que ela tenha maturidade para, de fato, fazer as próprias escolhas com o dinheiro.

“Quando a criança começa a externar alguns desejos, os pais podem começar a dar um dinheiro de forma eventual. Se ela tem interesse em comprar coisas para si, um jogo, um álbum de figurinhas, um gibi ou um doce fora de hora”, afirma Stange. Ela recomenda que esse passo seja dado a partir dos seis anos de idade.

A necessidade de ensinar a criança a fazer escolhas é citada pelos especialistas como parte relevante do processo de educação financeira. Segundo Marcia Dessen, planejadora financeira e diretora da Associação Brasileira de Planejamento Financeiro (Planejar), é importante falar que o dinheiro é finito e que o consumo deve ter um limite. “O desafio dos pais aumenta muito quando a sociedade estimula esse consumo desenfreado”, aponta Dessen.

Ela cita ainda que o cartão de crédito é, muitas vezes, o vilão para saber encontrar esse limite. “A criança tem que entender isso. Quantas vezes ouvimos a mãe dizendo que não tem dinheiro e a criança sugerindo a compra no cartão? Não há mágica”, diz a diretora da Planejar. Em abril, 88,8% das famílias que contraíram dívidas utilizaram esse método de pagamento.

“Queremos comprar tudo, mas em limites vamos quebrar. Muitos adultos só aprenderam isso depois de ter o próprio nome sujo”, diz Carol Stange.

A educadora em finanças pessoais entende que as “semanadas” ou “mesadas”, dependendo da idade, podem ser uma forma educativa de fazer a criança entender que é necessário administrar os recursos, mesmo que o valor inicial seja muito pequeno.

“Começa dando uma semanada, que é mais fácil para a criança administrar. É um valor baixo, um dinheiro de aprendizado, e a criança não deve ter necessidade de comprar algo mais do que isso. O valor indicado é o da mesma idade da criança”, afirma Stange.

Segundo ela, a quantia não pode ser elevada. Isso porque, nesse caso, a escassez ensina mais do que a fartura e, se sobrar dinheiro na mão da criança mesmo após ela satisfazer todas as vontades, o intuito educativo não está sendo cumprido.

Já na adolescência, o indicado é que seja aplicada a “quinzenada”. “O valor é muito subjetivo, vai depender das necessidades. Precisa refletir a finalidade também”, diz Stange.

Adélia Glycerio, advogada e educadora financeira, aconselha que, durante todas as idades, os pais também incentivem as crianças a economizar. Segundo ela, é necessário fazer o pequeno entender a importância de guardar 10% ou 20% para uma compra futura. “Dessa forma, ela vai virar um adulto consciente disso. Vai levar esse hábito de economizar para a vida”, diz Glycerio.

De acordo com a advogada, as questões financeiras também devem ser compartilhadas com os filhos, pois o diálogo faz parte do processo educativo. “Não é bom omitir a situação financeira da família. Às vezes dá para soltar mais, outros momentos tem que apertar o cinto”, recomenda.

Quer saber mais sobre investimentos?

Você pode gostar
Ajuste no teto do faturamento de MEI's é votado no Planalto
No dia 21 de junho, foi votado e aprovado pela Comissão de Finanças e Tributação, o Projeto de Lei Complementar...
Caí no golpe do PIX: e agora?
O PIX foi criado em novembro de 2020 e rapidamente caiu no gosto dos brasileiros. Mais de 1 bilhão de...
Planejamento financeiro tem de ser feito de acordo com sua realidade
As redes sociais TikTok, YouTube e Instagram invadiram a vida das pessoas. Porém, essas ferramentas e...
Conheça a empresa Arezzo
Calçados e acessórios são febres entre o público feminino, e há quem diga que o ponto fraco delas esteja...
Navegue pelo site
Siga nas redes sociais
Cadastre-se na Newsletter

O portal www.aprendaainvestir.com.br é de propriedade BANKRIO FINANCIAL HOLDING LTDA (CNPJ/MF nº 33.935.936/0001-63). Apesar da empresa estar sob o controle comum, os executivos responsáveis tecnicamente são totalmente independentes, sendo que estes na função da execução de suas atividades não exercem nenhuma atividade conflitante. Desta forma, os conteúdos vinculados no site são de caráter exclusivamente informativo, não sofrendo, de qualquer aspecto, influência de decisões comerciais e de negócios de outras sociedades, sendo os mesmos produzidos de acordo com o juízo de valor e as convicções da equipe técnica. Ao preencher algum formulário, você aceita compartilhar os seus dados de contato com as empresas controladas pelo grupo.

© 2021 | Todos os direitos reservados