fbpx

Fundo Monetário Internacional: veja tudo o que rolou na reunião

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print
Reuniao Fundo Monetario

Na semana passada, entre os dias 18 e 24 de abril, ocorreu em Washington, nos Estados Unidos, a reunião do Fundo Monetário Internacional (FMI). Um encontro muito importante para o mundo todo, pois busca estimular a cooperação monetária global, proteger a estabilidade financeira e facilitar o comércio internacional.

Mas o que é o Fundo Monetário Internacional?

O Fundo Monetário Internacional, conhecido pela sigla FMI, é uma organização supranacional que tem poder de mando superior aos demais países e pode agir internacionalmente. Foi fundado em 1944 nos Estados Unidos quando foram estabelecidas as relações comerciais e financeiras entre os países com maior industrialização do mundo.

O que faz o Fundo Monetário Internacional?

A atuação do FMI se resume em três grandes pilares: empréstimos aos países, vigilância econômica e desenvolvimento.

É a ela que os países recorrem quando passam por grandes dificuldades econômicas ou precisam de recursos financeiros para adotar determinada política estrutural ou social.

Além da ajuda financeira, o FMI acompanha periodicamente as políticas econômicas dos países-membros e faz recomendações. Ele também pode auxiliar os governos e países ao redor do mundo a modernizar suas políticas econômicas e instituições e garantir treinamentos.

O que foi discutido nesta reunião?

As consequências econômicas da invasão da Ucrânia pela Rússia, a alta da inflação em todo o mundo e o impacto da Covid-19 na China deram o tom da reunião. Nas conferências, nenhuma das autoridades arriscou uma previsão sobre quando a guerra no Leste Europeu acabará, o que demanda dos governos poupar os recursos, com controle da dívida pública.

Ao mesmo tempo, a urgência no combate à alta expressiva dos preços foi um consenso entre as autoridades participantes do evento. Muitas delas estavam convictas de que o Federal Reserve – órgão governamental responsável pela economia norte-americana – teria demorado a subir os juros.

O presidente do Fed, Jerome Powell, disse que uma alta de 0,50 ponto porcentual está “na mesa” para o próximo encontro do FOMC (Comitê de Política Monetária dos EUA), em maio.

Ele ressaltou que têm mérito as ações emergenciais para mitigar a alta do petróleo deflagrada pela guerra, como a liberação de reservas estratégicas do produto pelo presidente norte-americano, Joe Biden. Projeta-se que a economia dos Estados Unidos cresça 3,7% este ano e 2,3% em 2023, abaixo de 5,7% no ano passado.

O FMI espera que a economia mundial cresça 3,6% este ano, bem abaixo dos 6,1% do ano passado. Diminuindo 0,8% da projeção de janeiro. Além do crescimento mundial, a organização vê o avanço na China, em meio a bloqueios prolongados da pandemia, caindo para 4,4% este ano, de 8,1% no ano passado, bem abaixo da previsão do governo de cerca de 5,5%.

Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu, não indicou uma elevação imediata dos juros. Ela vive um drama maior no comando do BCE, pois o continente está sendo diretamente atingido pela guerra na Ucrânia e corre o risco de enfrentar uma recessão, caso o conflito se prolongue.

Para Lagarde, não é razoável fixar uma data para a elevação dessas taxas porque se o BCE é dependente de dados, então é preciso esperar tais estatísticas trazerem informações que justifiquem o aperto da política monetária.

Inclusive, Volodymyr Zelesky, presidente da Ucrânia, participou da reunião por uma vídeochamada direto de Kiev, capital do país. Ele enfatiza que a invasão da Rússia destruiu os portos que tem saída para o Mar Negro, e isso causou um colapso nas exportações dos seus produtos agrícolas com grandes consequências na economia global.

O presidente afirma que a única maneira de acabar com esta crise de alimentos seria encerrar a guerra.

Como foi o Brasil na reunião?

Paulo Guedes, ministro da economia, foi o representante brasileiro na reunião. Guedes  afirma que o Brasil “vem surpreendendo o mundo” de forma positiva e que ocupa posição estratégica no panorama global atual, com a intensificação das instabilidades econômicas mundiais devido à guerra na Ucrânia.

“No atual contexto global, o país se firma como player-chave em segurança alimentar e energética, além de ser um destino seguro para os investidores.”, indicou o ministro.

Além disso, Guedes destacou aos jornalistas que o Brasil está fortalecendo cada vez mais a capacidade de atração de investidores de todo o mundo, refletindo o cenário de reformas estruturais e aprimoramento do cenário produtivo executado desde o início de 2019 pelo atual governo.

Conforme a nota, ele reforçou ainda que o país conta com US$200 bilhões de projetos contratados para os próximos anos, considerando compromissos já assinados e assegurando  o ritmo de crescimento futuro do país.

“O Brasil está atraindo muitos investimentos de longo prazo”, disse Guedes. O informe ainda trazia a afirmação do ministro sobre a apreciação cambial de 15% do Real neste ano, “comprova que houve dramática e positiva reavaliação internacional sobre o Brasil”.

Paulo também enfatizou a importância de haver progressos no processo de capitalização da Eletrobrás, proporcionando segurança energética para o país nos próximos anos, além de fortalecer a agenda de privatizações e concessões perante os investidores, indicou a nota.

O FMI elevou de 0,3% para 0,8% a estimativa de alta do PIB brasileiro neste ano, mas reduziu de 1,6% para 1,4% a estimativa de crescimento em 2023. Apesar da melhora, o Brasil ainda continua registrando taxas de crescimento menores do que a média global, de 3,6% e da América Latina, de 2,5%.

Você pode gostar
Quanto rende R$1 milhão na poupança?
Com a taxa básica de juros a 12,75% ao ano e a inflação nas alturas, entender quanto rende R$ 1 milhão...
Como a CVM pretende monitorar os influenciadores digitais de finanças
A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) acompanha o mercado, as tendências e o comportamento dos atores...
BlackRock: as 4 tendências que podem fazer o mercado de ETFs triplicar
A indústria global de ETFs (Exchange Traded Funds) está a caminho de triplicar de tamanho. Se há vinte...
Ensaio sobre a aleatoriedade
Um discurso sobre o comportamento do investidor através da literatura José Saramago se tornou um grande...
Navegue pelo site
Siga nas redes sociais
Cadastre-se na Newsletter

O portal www.aprendaainvestir.com.br é de propriedade BANKRIO FINANCIAL HOLDING LTDA (CNPJ/MF nº 33.935.936/0001-63). Apesar da empresa estar sob o controle comum, os executivos responsáveis tecnicamente são totalmente independentes, sendo que estes na função da execução de suas atividades não exercem nenhuma atividade conflitante. Desta forma, os conteúdos vinculados no site são de caráter exclusivamente informativo, não sofrendo, de qualquer aspecto, influência de decisões comerciais e de negócios de outras sociedades, sendo os mesmos produzidos de acordo com o juízo de valor e as convicções da equipe técnica. Ao preencher algum formulário, você aceita compartilhar os seus dados de contato com as empresas controladas pelo grupo.

© 2021 | Todos os direitos reservados