fbpx

IGP-M desacelera a 0,52% em maio, após 1,41% registrado em abril

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print
IGP-M
Foto: envatoelements

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) arrefeceu a 0,52% em maio, após alta de 1,41% em abril, informou nesta segunda-feira, 30, a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O resultado ficou em linha com a mediana da pesquisa Projeções Broadcast, que tinha piso de 0,05% e teto de 0,67%.

A inflação acumulada em 12 meses pelo IGP-M desacelerou de 14,66% para 10,72%, também em linha com a estimativa intermediária do levantamento. No ano de 2022, o indicador acumula alta de 7,54%.

A desaceleração do IGP-M de maio foi puxada pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M), que arrefeceu a 0,45%, ante 1,45% em abril. O índice de preços no atacado acumula variação de 10,82% em 12 meses.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M), por sua vez, passou de 1,53% para 0,35% na margem, com inflação acumulada de 10,09% em 12 meses. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M) avançou de 0,87% para 1,49%, conforme já divulgado pela FGV. A alta acumulada em 12 meses é de 11,20%.

IPC-M

No acumulado de 12 meses, a inflação do IPC-M registrou alta de 10,09%, ante 10,37% em abril. Seis das oito classes de despesa componentes do índice registraram alívio em maio. A principal contribuição foi de Habitação (0,93% para -2,57%), com destaque para a tarifa de eletricidade residencial (-0,91% para -13,71%).

Também apresentaram arrefecimento os grupos Transportes (2,94% para 1,20%), Alimentação (1,82% para 0,87%), Comunicação (0,00% para -0,23%), Despesas Diversas (0,84% para 0,62%) e Vestuário (1,23% para 1,20%). Nessas classes, os itens com maior influência foram gasolina (5,86% para 1,01%), hortaliças e legumes (12,05% para -2,26%), combo de telefonia, internet e TV por assinatura (-0,10% para -0,36%), conserto de bicicleta (1,74% para 0,05%) e calçados (1,65% para 1,15%), respectivamente.

Na direção oposta, Educação, Leitura e Recreação (1,57% para 3,17%) e Saúde e Cuidados Pessoais (0,75% para 1,00%) registraram avanço da inflação. Nesses grupos, os itens com maior peso foram passagem aérea (9,50% para 18,39%) e artigos de higiene e cuidado pessoal (0,51% para 1,63%).

Influências individuais

Segundo a FGV, os itens que mais contribuíram para o alívio do IPC-M em maio foram tarifa de eletricidade residencial (-0,91% para -13,71%), tomate (23,28% para -13,20%) e condomínio residencial (0,58% para -2,44%). Cenoura (13,02% para -20,81%) e plano e seguro de saúde (-0,50% para -0,51%) completam a lista.

Por outro lado, as principais influências individuais de alta foram passagem aérea (9,50% para 18,39%), gasolina (5,86% para 1,01%) e etanol (6,33% para 8,14%), seguidas por perfume (0,21% para 4,27%) e batata-inglesa (12,04% para 12,56%).

IPAs

IPA Agro sobe 0,16% (de -1,36%); IPA industrial avança 0,57% (de 2,62%)

A desaceleração dos preços ao produtor industrial entre abril e maio (2,62% para 0,57%) puxou o alívio do Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M) do período (1,45% para 0,45%), informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). O IPA-M agropecuário acelerou a 0,16% no mês, após ter registrado queda de 1,36% na leitura anterior.

A inflação acumulada pelo IPA-M total em 12 meses arrefeceu de 16,09% em abril para 10,82% em maio. O alívio foi disseminado entre os preços ao produtor agropecuário (17,45% para 11,85%) e industrial (15,55% para 10,41%).

Nas aberturas por estágios de processamento, os bens finais arrefeceram de 3,10% em abril para 0,51% em maio, puxados pelo alívio do subgrupo de combustíveis para o consumo (10,80% para 0,01%). Os bens intermediários arrefeceram de 3,40% para 1,40%, devido a combustíveis e lubrificantes para a produção (12,04% para 1,21%).

As matérias-primas brutas moderaram o ritmo de deflação (-1,82% para -0,58%), puxadas por soja em grão (-7,02% para 1,67%), milho em grão (-7,22% para -3,62%) e cana-de-açúcar (-0,45% para 3,81%). Em contrapartida, ajudaram a manter os preços do grupo em queda minério de ferro (-1,54% para -4,71%), aves (15,47% para 0,96%) e mandioca (12,35% para -7,72%).

As principais pressões para baixo sobre o IPA-M partiram do farelo de soja (-6,46% para -7,92%) e bovinos (-1,78% para -3,28%), além do minério de ferro, milho em grão e mandioca. Em contrapartida, puxaram o índice para cima adubos ou fertilizantes (10,45% para 8,59%), leite in natura (8,80% para 7,47%) e óleo diesel (14,70% para 3,29%), além de cana-de-açúcar e soja em grão.

Quer saber mais sobre investimentos?

Você pode gostar
Ajuste no teto do faturamento de MEI's é votado no Planalto
No dia 21 de junho, foi votado e aprovado pela Comissão de Finanças e Tributação, o Projeto de Lei Complementar...
Política Monetária: entenda para que serve e como funciona
Embora muitas pessoas ainda não saibam como ela funciona, a Política Monetária é fundamental para o desenvolvimento...
Milionários na Poupança: pesquisa mostra que há 24 mil cadernetas com mais de R$1 milhão
Em pleno 2022, a Caderneta de Poupança segue sendo tradicional e queridinha dos brasileiros. Ainda que...
Copom eleva a Selic de 12,75% para 13,25% ao ano
Apesar do cenário desafiador nas frentes inflacionária, externa e fiscal, o Comitê de Política Monetária...
Navegue pelo site
Siga nas redes sociais
Cadastre-se na Newsletter

O portal www.aprendaainvestir.com.br é de propriedade BANKRIO FINANCIAL HOLDING LTDA (CNPJ/MF nº 33.935.936/0001-63). Apesar da empresa estar sob o controle comum, os executivos responsáveis tecnicamente são totalmente independentes, sendo que estes na função da execução de suas atividades não exercem nenhuma atividade conflitante. Desta forma, os conteúdos vinculados no site são de caráter exclusivamente informativo, não sofrendo, de qualquer aspecto, influência de decisões comerciais e de negócios de outras sociedades, sendo os mesmos produzidos de acordo com o juízo de valor e as convicções da equipe técnica. Ao preencher algum formulário, você aceita compartilhar os seus dados de contato com as empresas controladas pelo grupo.

© 2021 | Todos os direitos reservados