fbpx

Investir em FIIs ou comprar imóveis: entenda os prós e contras de cada modalidade

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Índice do artigo

FIIs
Foto: Pixabay

Será que é realmente necessário disponibilizar uma quantia tão alta para lucrar com o mercado imobiliário? Veja qual vale mais a pena!

 

Desde os primeiros meses de 2020, a economia, não só do Brasil como do mundo inteiro, começou a sofrer consideravelmente com os efeitos da eclosão da pandemia do novo coronavírus. Devido a isso, muitas pessoas começaram a dar mais importância para o seu patrimônio e procurar formas de se preparar para imprevistos ou crises como a atual.

Quem sonhava em alcançar a independência financeira ficou ainda mais interessado, justamente para poder sofrer cada vez menos com os momentos de instabilidade. Isso aumentou a procura por caminhos para cuidar do dinheiro de forma mais satisfatória e colher frutos futuramente.

Assim como o mundo está em constante transformação, no universo dos investimentos isso não é diferente. Afinal, atualmente, a forma de investir no Brasil está completamente diferente de antigamente.

Quer um exemplo? Busque na sua memória alguém que, há alguns anos, comprou um ou mais imóveis físicos com o propósito de colocá-los para locação e, com isso, lucrar com os aluguéis.

E aí, lembrou de alguém?

Exemplos como esses eram muito comuns, até porque muitos ainda pensam que esse é o melhor negócio. Mas, existem outras formas de investir no mercado imobiliário sem precisar de um capital tão grande como o da compra de um imóvel.

Os Fundos Imobiliários, pauta recorrente aqui no Aprenda a Investir, vem ganhando visibilidade com o passar dos anos, justamente por facilitar o caminho de quem quer lucrar com um dos setores mais importantes da economia brasileira – o imobiliário, mas não dispõe de um montante tão volumoso.

Preparamos esse artigo pensando em simplificar o entendimento sobre a compra de imóveis e o investimento em Fundos Imobiliários, para que você mesmo possa observar os prós e contras de cada um deles e, claro, lucrar com o mercado financeiro.

 

O que são Fundos de Investimentos Imobiliários (FIIs)?

Também conhecido pela abreviação FIIs, os Fundos de Investimentos Imobiliários são como uma união de diversos investidores ligados a um ou mais ativos (bens) imobiliários.

Cada investidor detém uma parte do Fundo, que é medida em cotas. Elas são proporcionais ao total de capital que cada um investiu. Basicamente falando, é comprar uma cota de um empreendimento imobiliário, ser dono de uma parte do imóvel e ter acesso a uma receita (lucro).

Na prática, os Fundos Imobiliários são como “condomínios” que compram vários imóveis, apropriam-se dos aluguéis e distribuem esses lucros aos seus cotistas. Para aqueles que gostam de investir em imóveis, mas procuram uma carteira diversificada e líquida, os FIIs entram como a solução.

São duas possibilidades de ganho pelos FIIs:

  1. Rendimento mensal, que é isento de tributação para Pessoa Física;
  2. Compra e venda de uma cota*.

*Nesse caso, o ganho de capital é tributado. Se você compra uma cota a R$150 que valorizou R$50 e vende a R$200, paga o imposto sobre esses R$50, que foi a valorização da cota.

Vale lembrar que os investidores Pessoa Jurídica, nas duas possibilidades, recebem a tributação sobre todos os rendimentos obtidos.

 

Exemplos de ativos do FIIs

Na maioria das vezes, esta modalidade de Fundos é formada por:

  • Lajes corporativas;
  • Shopping centers;
  • Fundos de Fundos (FoF);
  • Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs);
  • Galpões logísticos, entre outros.

 

Fundos de Tijolo X Fundos de Papel

Já que estamos detalhando os Fundos Imobiliários, é importante dizer que eles podem ser Fundos de Tijolo ou de Papel. Veja a seguir o que é cada um deles.

Os Fundos de Tijolo são de uma classe de empreendimentos físicos. A finalidade deles está no investimento de capital na compra e venda, no aluguel ou na construção de imóveis comerciais. Repare que falamos que é o investimento no imóvel físico e não a compra do mesmo, o que, automaticamente, diferencia essa categoria de Fundos da compra de imóveis que estamos abordando neste artigo.

Já os Fundos de Papel são o oposto, ou seja, representam os investimentos em ativos como o Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) e a Letra de Crédito Imobiliário (LCI). É uma forma de enviar crédito bancário para o mercado imobiliário, disponibilizando recursos para o financiamento, construção, entre outras operações que beneficiem o setor.

Geralmente, os gestores desses Fundos procuram por um modelo de investimento híbrido, isso porque querem diversificar a carteira em Fundos de Tijolo e Papel, no intuito de diminuir os riscos da operação.

 

Fundo Imobiliário versus Comprar de imóveis

Existem algumas comparações importantes entre essas duas formas de adquirir renda extra. Por isso, é melhor conhecer os seus prós e contras também.

 

ADQUIRIR UM FII

COMPRAR IMÓVEL

Liquidez

É possível comprar e vender com maior rapidez

Em média 8 meses para vender um imóvel

Diversificação

Com poucos recursos é possível adquirir FIIs de imóveis distintos e sofisticados

Para diversificar o investimento é necessário dispor de quantias elevadas

Tributação

Os rendimentos são isentos de Imposto de Renda para Pessoa Física*

A renda do imóvel é tributada de acordo com a faixa do IRPF

 

*Cotistas que tenham menos de 10% de participação em Fundos negociados em Bolsa, com no mínimo 50 cotistas, sendo que nenhum pode deter mais de 25% do Fundo.

 

Prós e contras dos FIIs

Prós

  1. O investidor possui um profissional especializado, conhecido como gestor do Fundo, responsável por administrar o seu investimento;
  2. Lucros adquiridos através do Fundo vão direto para a sua conta-corrente na corretora;
  3. O risco de um FII quebrar é muito baixo, já que ele está relacionado a um setor importante para a economia do país;
  4. Contribui para melhorar a relação de risco e retorno de uma carteira diversificada;
  5. Rapidez na compra e venda de cotas dos Fundos;
  6. Isenção do Imposto de Renda na distribuição de lucros;
  7. Perspectiva de crescimento do setor imobiliário;
  8. O investimento pode ser feito com pouco dinheiro;
  9. Pouca burocracia – basta abrir conta gratuitamente em uma corretora, de maneira online, e comprar as cotas pelo home broker ou outra plataforma de investimentos;
  10. Zero taxa de corretagem para comprar e vender cotas (isso varia de acordo com a instituição, o ideal é optar pela corretora que não cobra).

 

Contras

  1. Risco de crédito – nos FIIs, eles se concentram nos CRIs e LCIs;
  2. Risco de sazonalidade – especialmente em FIIs que investem em lojas e shoppings que vendem mais ou menos em diferentes épocas do ano;
  3. Risco de especificidade – dificuldade de encontrar outro empreendimento específico, em caso de contrato cancelado;
  4. Taxa de administração – pagamento do gestor do Fundo.

 

É importante destacar que todos os riscos citados anteriormente, podem ser amenizados, até porque cada Fundo possui uma variedade de imóveis. Dessa forma, o investidor costuma ter diversos FIIs em sua carteira de investimento, fazendo com que a mesma fique equilibrada.

 

Prós e contras de comprar um imóvel

Prós

  1. Alcançar o objetivo de viver com a renda dos aluguéis;
  2. É possível encontrar boas oportunidades na cidade em que vive;
  3. O controle da gestão do patrimônio e capital fica totalmente com o indivíduo;
  4. Sem taxas de administração.

 

Contras

  1. Baixíssima liquidez – a venda do imóvel demora a acontecer;
  2. Risco da desvalorização do imóvel ao longo do tempo – podendo deixar de acompanhar até mesmo a inflação;
  3. Risco de vacância – ausência de inquilinos no imóvel, o que não gera lucro com os aluguéis;
  4. Risco de desastres naturais (a menos que se tenha um seguro residencial que cubra);
  5. Custos e burocracias variadas no processo de compra (transferência de titularidade, corretagem do corretor de imóveis, escritura, entre outras questões);
  6. Gastos com a manutenção do imóvel;
  7. Dificuldade para encontrar oportunidades vantajosas fora da cidade, afinal, não há um ambiente digital simples e unificado como na Bolsa de Valores;
  8. Necessidade de capital significativo para comprar um imóvel.

 

Considerações finais

Como vimos até aqui, optar pela compra de imóveis físicos pode ser um investimento mais burocrático e que vai demandar mais tempo, dinheiro e atenção do indivíduo. Já o Fundo Imobiliário não necessita de um capital volumoso, é diversificado e conta com a gestão especializada de um profissional.

Portanto, agora que você está por dentro das vantagens e desvantagens de cada uma dessas modalidades, pode tomar a decisão baseada em fatos. E lembre-se: para dar um passo rumo a Renda Variável e aos investimentos que ela pode fornecer, como os FIIs, é preciso que os investidores estejam abertos para:

  • Tomar mais riscos;
  • Aplicar mais a longo prazo;
  • Conhecer novos produtos para incluir na carteira de investimentos.

Sabia que nós temos um simulador gratuito que compara a aquisição de uma casa ou apartamento a fim de viver dos aluguéis x investimentos em Fundos Imobiliários?

Por lá, você pode simular de acordo com o valor que pretende investir e comparar a possível rentabilidade que teria em ambas as modalidades.

Para acessá-lo gratuitamente, basta clicar aqui.

Quer iniciar no universo dos Fundos Imobiliários com segurança e sabendo aproveitar as melhores oportunidades do mercado mesmo com a Selic em alta?

Então solicite uma reunião com um assessor de investimentos da InvestSmart e comece a investir agora mesmo.

Quer saber mais sobre investimentos?

Você pode gostar
Quanto rende R$1 milhão na poupança?
Com a taxa básica de juros a 12,75% ao ano e a inflação nas alturas, entender quanto rende R$ 1 milhão...
Empreendedorismo: 3 dicas para formalizar o seu negócio
Com o início da pandemia da Covid-19, iniciada em 2020, muitos brasileiros se encontraram sem seus trabalhos...
Conheça a empresa JHSF
Além do setor imobiliário tradicional, que a maioria conhece, existe no mercado o ramo de alta renda,...
Como a CVM pretende monitorar os influenciadores digitais de finanças
A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) acompanha o mercado, as tendências e o comportamento dos atores...
Navegue pelo site
Siga nas redes sociais
Cadastre-se na Newsletter

O portal www.aprendaainvestir.com.br é de propriedade BANKRIO FINANCIAL HOLDING LTDA (CNPJ/MF nº 33.935.936/0001-63). Apesar da empresa estar sob o controle comum, os executivos responsáveis tecnicamente são totalmente independentes, sendo que estes na função da execução de suas atividades não exercem nenhuma atividade conflitante. Desta forma, os conteúdos vinculados no site são de caráter exclusivamente informativo, não sofrendo, de qualquer aspecto, influência de decisões comerciais e de negócios de outras sociedades, sendo os mesmos produzidos de acordo com o juízo de valor e as convicções da equipe técnica. Ao preencher algum formulário, você aceita compartilhar os seus dados de contato com as empresas controladas pelo grupo.

© 2021 | Todos os direitos reservados